22 de outubro de 2014

A magia do sertanejo universitário

Eu não poderia começar um texto sem explicar por que não escrevo mais. Eu escrevo. Escrevo sobre bois, soja, inseminação artificial em vacas, plantio direto com braquiária, essas coisas. No resto do tempo eu escrevo sobre moda, assisto reality show de drag queens, lavo louça, faço exercícios da faculdade à distância, pago contas, planejo meu casamento, falo sobre o casamento e frequento palcos, se tem uma coisa que eu gosto é de palco. 
A última experiência foi meio assustadora. Era um show de mágicas. Eu não gosto de mágicas, odeio ser enganada, mas até queria ser chamada no palco, porque adoro palcos. Queria ter participado dos primeiros truquinhos baratos, aqueles de cartas, mas não. Fui chamada pro último espetáculo, aquele em que o mágico atravessa uma espada no pescoço da vítima. Eu era a vítima e estava ali com um cara estranho na minha frente, falando umas baboseiras e ameaçando enfiar aquela coisa afiada no meu pescoço. Eu sorria e enquanto sorria só conseguia pensar na manchete dos principais jornais do Brasil no dia seguinte: "Jovem morre ao ser vítima de erro em show de mágicas". 
Esse pensamento me atormentava tanto que tive que me distrair pensando em outra coisa. Pensei em música, me veio aquela canção que diz: "Eu poderia estar agora em um módulo lunar (...) mas eu prefiro estar aqui, te perturbando, domingo de manhã". Pensar nessa música me fez rir de verdade. Por que um bosta de um sujeito que incomoda alguém num domingo de manhã, poderia estar em um módulo lunar? E mesmo se fosse Testemunha de Jeová, por que estaria na lua? Enfim, analisar canções me irritam e me divertem ao mesmo tempo. A mágica deu certo. Não morri. Percebi pelo barulho da espada encolhendo que era mesmo um truque besta, como toda mágica. Uma mágica boba como qualquer música da dupla Marcos e Belutti.

10 comentários:

Anônimo disse...

vc escreve sobre moda? porem não a q vc veste né? pq olha nunca vi alguém tão mal vestida como vc, e q não usa e não entende nada de moda ¬¬

Michele Matos disse...

Ai, meu Deus... A menina que lê cinquenta tons de cinza voltou. Desculpa falar mal da sua dupla favorita =/

Anônimo disse...

na verdade falei mal da maneira q vc se veste, maquia, cabelo aaa td, ou vc quis dizer ali q escreve sobre moda de viola?

Raquel Fernandes disse...

Uai!? Agora vai virar discussão sobre moda? Pessoa anônima, se não tem nada a acrescentar ao texto, não comenta.
O foco da discussão é outro, inclusive também acreditei que estava com raiva de alguém criticar a referida dupla sertaneja, mas se nem isso é, eu só posso sentir vergonha alheia por tamanha ignorância. É uma pena você também ser tão medíocre e covarde de não se identificar. Acho que isso da outro texto bem engraçado, hein Michele.
Pessoa anônima, aqui vão algumas dicas de termos que você pode utilizar nas suas próximas análises críticas: "Recalque" "Inveja" "Top"
Acho que vão combinar mais com seus argumentos tão inteligentes. Ah, sem falar que essas palavrinhas estão super na moda de pessoas medíocres como você!

JOSIANE disse...

Ai meu Deus, a pessoa é tao autentica que nem identidade tem. Não é porque você leu um monte de livros e conhece sobre moda que você é inteligente, as vezes você é só uma idiota com boas referências.

Camila Belini disse...

Anônimo: você deve ter reparado pela quantidade de pessoas que repudiaram o seu comentário inapropriado que a Michele é uma pessoa muito querida. Ao contrário de você, pelo que me parece. Pois só uma pessoa solitária e infeliz, até arrisco dizer com graves complexos, se daria o trabalho de comentar algo tão fora de contexto e totalmente desnecessário. Você conhece a Michele? Acredito que não! A Michele é aquele tipo de pessoa que cativa, cativa mesmo. Não importa a roupa que ela use, os acessórios ou o sapato. Ela é demais por si só. Coisa que você jamais conseguirá ser, meu caro ( ou cara), pelo menos enquanto tiver este tipo de pensamento tão mesquinho.
Sei que estamos em uma País livre e em meios tão informais como a internet é normal que as pessoas se sintam mais seguras para se expressar. Só faça isso com mais inteligência, pertinência. Use essa liberdade para algo útil.
Confesso que parece meio bobo e infantil tantas pessoas escrevendo aqui em defesa da Michele (ela não precisa disso, sério). Mas e daí? Sorte dela que tem tantas pessoas que a admiram. A você, antônimo, só resta pena e indiferença. Sinto muito por você ser você.

Luiz disse...

Meninas não briguem... Afinal essa moça disse que nunca 'viu' ninguém tão mal vestida. Deve ser cega, por consequência também não viu ninguém mais bem vestida... e deve ter problemas de audição também, pois para gostar de música podre, pobre, sem letra, sem melodia, sem nexo...deve ter sérias limitações. Além do mais, chamar de 'cantores' estas pessoas que ainda se autodenominam "universitários" e só falam de "boteco" bebida e de mulheres sem moral... Hum esqueci... a dita música fala de encher o saco de alguém... bem típico deles também... só de abrirem a boca eu já fico de saco-cheio. É tudo mentirinha... não é sertanejo, não é música, não é universitário e você não é mal vestida... é só o jogo do contrário... Michele, sua linda... você está muito bem vestida sempre, de corpo de alma, de argumentos e especialmente de amor verdadeiro... Vai ligar pra opinião de quem nem sabe escolher o que ouve?

Marlon Junior disse...

a melhor parte é que se vc juntar todos os pseudossucessos sertaNOJENTOS e aprender pouquíssima coisa sobre musica vai notar que musicalmente são tristes, os malditos quatro acordes, eles não mudam, e tocar um cd inteiro sem mudar a mao de lugar no violão, sem falar das letra que me dao até tristeza no coração, chamar aquilo de musica, tião carreiro e pardinho, tunico e tinoco entre outros devem ficar muito putos de hj em dia serem classificados com o mesmo gênero de tche thererethethe(4 acordes) ai se eu te pego(4 acordes)dodge ram(4 acordes)e adivinha.... domingo de manhã(com os mesmos 4 acordes!!!)

Joyce Sartori Lhopis disse...

Eu tinha escrito um texto tão bonito pra dar na cara dessa anônima, mas eu não estava logada no blog. Confesso. RI muito. Pensar em música na hora da mágica foi uma pérola. Ah e de fato Mi você é uma. Quem te crítica é pq não te conhece e não tem personalidade em falar amplamente sobre assuntos diversos e complexos. Beijinho no ombro *

Raquel Fernandes disse...

Anônimo saiu da sala